Facebook


Pesquisar no blog

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

ROLAND BARTHES



Nos gloriosos, "ma non troppo", anos 60 , quando um jovem queria "aparecer" para as moçoilas , deveria, pertencer , se possível, à esquerda festiva, decorar algumas frases, ou conceitos de Gramsci e Marcuse e odiar o establishment.
 
 
 

No final dos 60 Gramsci e Marcuse foram destronados e abandonados pelos jovens "intelectuais" de esquerda.

A razão?

Todo mundo tratava Gramsci e Marcuse como se fossem íntimos amigos de botecos.

Nos anos 70 o "papo cabeça", a nova moda: Semiótica, semiologia e concretismo.

Marcuse e Gramsci, devidamente aposentados, deixaram a vitrine para Roland Barthes, Umberto Eco, Decio Pignatari, Claude Levi-Strauss, Augusto e Haroldo de Campos e outros.
 

Ai de quem não tivesse lido, pelo menos, as orelhas de algum livro dos nomes que citei........ Não comia ninguém.

A moda passou e já não é obrigatório conhecer Gramsci, Eco, Levi-Strauss e companhia bela, para ter sucesso.

Hoje para ter sucesso é bem mais fácil: É preciso "entender" de vinhos.
 
 

Não é necessário ser um experto e profundo conhecedor, basta ter um olho , assim como Polifemo, que o sucesso é garantido.

Mesmo que você não seja um grande expert de vinhos há expedientes que podem, facilmente,  lhe abrir as portas do sucesso.

1º Escrever um monte de bobagens sobre aromas recônditos e improváveis

Alguns exemplos (leia com atenção para não perder a oportunidade de aprender como enganar os otários (as):

Porque este 1982 não tem 100 pontos, indagou um amigo depois do primeiro gole. Um Haut Brion gustativa e olfativamente sublime, com aquele sabor de mel de estrebaria, ou seja, geléias e licores de frutas em meio fumaça de charuto num fim de tarde ao lado de um estábulo. Talvez por isso, por já estar no seu apogeu, diferentemente dos outros 1º cru da mesma safra, tais Mouton, Lafite, Latour, que precisam pelo menos 10 anos mais para seus apogeus. Pois é, tão bom assim, estando tão jovem, talvez não mereça 100, mas, quem sabe Parker ouça nossas impressões e o promova para 99,5. Rss  Seguir 

 

Mais uma pérola

Velhinho Ch Latour 80 deleitosamente evoluído: cheira peixe de rio. Barro, metálico. Pimenta seca. Outras especiarias. Firme forte fino 12:26 PM Mar 8th via Twitter for iPhone

Outra mais

Ch Lafite 90, olores de bolores couro e ouriço de mar, bem firme( jovem). Vega Sicilia 90, baunilha cocada preta terra molhada( velho) 9:45 PM Mar 10th via web

Pronto você já está quase apto a disputar o titulo de "melhor sommerdier do Brasil" como Beato Tropeço Salu autor das belíssimas descrições acima reproduzidas.
 

Eu disse quase?

Pois é....... não vai ser fácil.

Já não basta detectar numa taça a cocada preta, olores de bolores, ouriço do mar, fumaça de charuto num final de tarde ao lado de um estábulo, é preciso voltar aos anos 70 e atacar de Roland Barthes.

O Beato Salu deixa o estábulo e dá um show de conhecimentos
"semi-óticos"
 

 manoelbeato@juucarani é profissional que preza o aprofundamento no mundo dos vinhos e de tudo que o cerca. Prova atentamente, cria caminhos novos para nos fazer melhor compreender a genealogia de tudo que concerne o saber comer, beber, viver. Dirige com esmero o @vinobeato e nalguns momentos de lazer como esse, procura novas veredas de saberes e sabores. É nesse livro-aula-conferência que Roland Barthes descreve impecavelmente a palavra Sapientia( lembrando que saber e sabor se originam da mesma raiz. Assim ele diz: “Nenhum poder, um pouco de saber, um pouco de sabedoria, e o máximo de sabor possível.”
Ju Carani sabe seguir nesse sentido. Hoje estaremos juntos com a Bodega do Beato
#bodegadobeato apresentando e servindo vários vinhos de grande valor. Acompanhem no @vinobeato
 

Bem, agora basta você atacar de Wikipédia, decorar algumas frases do Barthes, mesmo que não signifiquem nada para os enófilos e...... Aqui vai uma dica

“A doença de Michelet é a enxaqueca, esse misto de ofuscamento e náusea.”

Ok você já pode se desbancar o Beato Rolando Lero o grande intelectual do vinho.

Minto .... Para você provar que é um verdadeiro intelectual do vinho precisa ir à Borgonha e, para deleite e delírio dos franceses, escalar crucifixos medievais.
 

Dionísio

 

 

 

domingo, 18 de fevereiro de 2018

RUBESCO


 


A Úmbria, região central da Itália, é mais conhecida por seus santos e terremotos do que por seus vinhos.

San Francesco de Assisi, Santa Rita di Cascia, San Benedetto di Norcia, talvez mais ocupados em outros milagres, não pouparam suas e outras cidades da Úmbria de serem destruídas, ou quase, pelo terremoto de 2016.

Os santos mais desatentos da região foram São Benedito que deixou Norcia e a basílica, erguida em sua homenagem, serem arrasadas, e San Francesco que não se incomodou com a parcial destruição de sua igreja em Assisi.
 
 

Mas deixemos as tragédias e falemos de vinho.

O vinho mais conhecido da Úmbria é, sem duvidas, o Orvieto, seguido pelo Sagrantino di Montefalco e pelo recém valorizado Grechetto.

Orvieto e Grechetto vinhos brancos agradáveis, bons para o dia-dia, baratos, mas longe de empolgarem.
 

Sagrantino di Montefalco, tinto de boa estrutura, foi "empurrado", por algumas canetas de aluguel, pagas por Arnaldo Caprai, para os mais altos degraus vinícolas italianos, mas não resistiu.

Caprai, durante uma década ou um pouco mais, ganhou um bom dinheiro, mas seu Sagrantino não teve a mesma sorte dos Supertuscans e hoje convive e disputa o mercado na faixa dos vinhos médios de onde nunca deveria ter saído.

Um grande vinho umbro?
 

"Torgiano"

Nunca ouviu falar?

Nunca provou?

Não se preocupe..... apesar de a Mistral importar o Torgiano, você está na companhia de 99% de nossos sommeliers e "professores" de cursos sobre vinhos que nem sabem que "TORGIANO" é nome de vinho e de um grande vinho.
 

O melhor Torgiano, que já bebi, foi o "Rubesco Rosso Riserva Vigna Monticchio" da vinícola Lungarotti, mas hoje comentarei seu irmão mais barato e mais popular: "RUBESCO DOC"

A Lungarotti, proprietária de 250 hectares de vinhas, em Torgiano e Montefalco (Úmbria), não é exatamente uma pequena vinícola.

A Lungarotti produz, em média, 2,5 milhões de garrafas e exporta para mais de 50 países, entre os quais, como já afirmei, o Brasil.

Apesar de sua grande produção a Lungarotti consegue, com seu Torgiano, uma qualidade surpreendente, ainda mais surpreendente se levarmos em conta o baixo preço do "Rubesco" DOC: 6-7 Euros.

 
 

Rubesco Lungarotti 2013  

Disponibilità: Disponibile                           
Special Price 6,40 €                                        


O Rubesco, vinificado com uvas Sangiovese e uma pequena parcela de Colorino, apresenta uma bela cor rubi com tendência grená.

No nariz é possível perceber a rosa, as especiarias (pimenta em particular).

Na boca é harmônico, fresco, fácil de beber (não cansa) e surpreende pelo longo retrogosto frutado.

Um belo vinho que recomendo com entusiasmo.

Um entusiasmo que o consumidor brasileiro freará quando souber que a Mistral somente entregará uma garrafa de "Rubesco" por salgados R$ 153.
 

É sempre bom lembrar que nas prateleiras das enotecas italianas o "Rubesco" pode ser facilmente encontrado por 6 Euros o que nos leva a crer que a Lungarotti o vende, para os comerciantes, por não mais do que 3,5 Euros.

Um pequeno cálculo: 3,5 X 4 = 14 R$

R$ 14 (um pouco mais um pouco menos) é quanto a Mistral paga à Lungarotti

Agora faça a conta quanto fatura a Mistral e esqueça a lengalenga do Bilu Didu Teteia, "palhaço propaganda" da importadora, sobre custos do transporte, impostos, estoque, juros etc.
 

Mais uma coisa: A Mistral e seus "sommerdiers", na descrição do Rubesco, erram ao incluir a Canaiolo na vinificação do vinho

Alô, alô sommerdiers da Mistral, nem copiar vocês sabem?

Bacco      


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

ROLANDO PELADO NA NEVE


Enquanto Bacco se divertia em saunas, no topo dos Alpes italianos, eu passava mais uma temporada de terror, no hemisfério norte, à procura de vinhos possivelmente potáveis.

 Uma viagem temática e lúdica para me reconectar com meu eu interior.
 
 

Com as costas cheias de adesivos, dos vários países visitados, posso afirmar que quase mais nada já me surpreende, mas há algo que não entendo e me frustra: controle governamental na importação, distribuição e vendas de vinhos e bebidas em geral.

Ao leste e oeste de Greenwich a situação se repete e o medo nunca supera a esperança.
 

 Segundo as lorotas locais o controle estatal se faz necessário para os controles da saúde da população e das finanças.

 É mais que notório que o álcool gera um monte de impostos em cascata.

Falo de Arábia Saudita, Zimbábue, Korea do Norte?

Não!

 Estou me referindo ao Canadá, Finlândia, Suécia, Noruega e até alguns estados americanos.
 

Tive a infeliz oportunidade de fazer compras, nesses países, em lojas controladas e administradas pelos governos locais.

Se você achou o que o sommerdier desta ou daquela loja não foi atencioso, foi mal educado e sem conhecimento algum, imagine, então, um funcionário publico vendendo vinhos numa loja estatal e amparada pelo monopólio.
 

Até pouco tempo em vários estados nos USA havia somente lojas controladas pelo governo.

Após muito lobby (tem algo mais americano do que lobby?) os governos cederam, deixaram o mercado para a iniciativa privada e.... O óbvio aconteceu: Mais escolhas, mais vendas, qualidade melhor, mais empregos e mais impostos para o governo incompetente, letárgico, ineficiente.

Existem os barcos da esbornia --- em tradução livre-- da Escandinávia para Estônia.
 
Matooseenan, Lundgreen e Ingrid pegam o barco ,de noite navegam, enchem a cara e, pela manhã, chegam a Talina para se reabastecerem de vinhos e super-alcoólicos pavorosos, mas, ainda assim, melhores daqueles vendidos pelo monopólio governamental de seus países.
 

A qualidade do vinho europeu, importado pelo Canadá, pináculo dos monopólios estatais, da vontade de rolar pelado na neve.

Todos os "clássicos" italianos, espanhóis e franceses, de aeroportos ou dos Carrefour, estão ali presentes.

 Literalmente da vontade de tomar vinho chileno e argentino.

Alberta está pensando em bloquear importação de vinhos de British Columbia por uma briga referente ao transporte do petróleo.

 A população teme e se preocupa pela possível falta de vinhos no mercado.
 

Se o mercado tivesse liberdade para escolher, o que importar e distribuir,  essa ameaça tosca cairia na vala da gozação cibernética.

O interessante é que, em todos esses países eno-monopolizados, não encontrei nenhuma garrafa do "Segundo melhor Espumante do Mundo" e nem do "Segundo Melhor Merlot do Mundo".
 

Talvez, (sem risos, por favor......) haja pouca vida inteligente nessas repartições públicas.

Na minha opinião, o que os governos deveriam fazer?

 Governar, fiscalizar e aplicar as leis e..... "c'est fini".

 Quanto menos governo houver, melhor para todos...... salvo  para os vagabundos de sempre...
 

Bonzo

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

SUAR NA NEVE


 


Se você é fã montanha, adora neve, paisagens deslumbrantes e gosta de esquiar, as Dolomitas são imperdíveis

Poucas paisagens montanhosas podem ser comparadas às Dolomitas.

Rara beleza, paisagens de tirar o fôlego, estruturas hoteleiras e pistas de esqui de primeiríssima qualidade, boa comida, bons vinhos e muito mais, fizeram de Cortina D'Ampezzo, San Candido, Madonna di Camipiglio, Otisei, Canazei, San Martino di Castrozza etc. metas obrigatórias dos esquiadores do mundo todo.

Quem escolher a badaladíssima Cortina D'Ampezzo para passar férias invernais e gostar de programas insólitos, dou uma dica pouco conhecida: Rifugio Lagazuoi.
 

"Rifugi" (plural de rifugio) são pequenas estruturas hoteleiras de alta montanha , quase sempre alcançáveis somente esquiando , caminhando ou através de teleféricos.

Sem muito luxo, mas confortáveis e aconchegantes, os "Rifugi" são procurados por esportistas que fogem da badalação, e altos preços dos famosos centros invernais.

O "Rifugio Lagazuoi", edificado no cume de uma montanha de 2752 metros, bem no meio das Dolomitas, além do fantástico panorama oferece aos hospedes ou não, uma incrível sauna finlandesa bem no meio da neve.
 

Os não hóspedes podem usufruir da sauna pagando 15 Euros.

De Cortina D'Ampezzo até o teleférico Lagazuoi são 18 quilômetros e o bondinho alcança o refugio em menos de 10 minutos.
 

Suor na neve, panorama inesquecível, especialmente ao entardecer, mais uma dica de B&B.

Bacco